Agropecuária Estrela do Céu

Constituída em 1939, como fazenda dedicada à pecuária de corte, a Agropecuária Estrela do Céu é, hoje, um empreendimento dos mais modernos de seu segmento, voltado para a seleção de bovinos, a produção de bezerros para corte e investimentos em diversificados setores do agronegócio.

Suas propriedades rurais se localizam no Noroeste do Estado de São Paulo: a Fazenda Santa Paula, na região de Araçatuba, e a São Pedro, na de Bauru. Ambas contam com sua própria infra-estrutura, planejadas para atender aos objetivos específicos de sua destinação.

Gestão sanitária tem programa modelar de ação

Genética, nutrição e sanidade constituem o tripé onde se assenta com firmeza a pecuária bovina de corte. Com racionalidade, porém, já que não se admite, numa atividade econômica desenvolvida com seriedade, a utilização de recursos capazes de turbinar resultados.

Na Agropecuária Estrela do Céu, é ponto de honra utilizar a melhor genética disponível, apta a oferecer a produção esperada, sem excessos na alimentação. Na criação comercial, nem mesmo o uso do creep-feeding é tolerado, porque capaz de mascarar o potencial de ganho de peso dos animais postos à venda.

Contando com base genética de origem comprovada, a empresa faz questão de obedecer religiosamente aos ditames de um Programa de Gestão Sanitária, especialmente desenvolvido para as fazendas da empresa por um dos mais conceituados especialistas brasileiras na área, o professor Iveraldo Dutra, da Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Araçatuba.

Gestão texto

O programa lista a relação de vacinações, vermifugações e aplicações de medicamentos para cada ocorrência possível ou de adoção obrigatória e, por meio de manual de consulta, sugere procedimentos a serem cumpridos pelo pessoal de trabalho.

Ponto alto da estratégia de controle sanitário é o treinamento dos empregados que respondem pelas várias etapas da criação, aos quais são igualmente oferecidos cursos regulares de reciclagem.

Graças ao Programa de Gestão Sanitária, a Agropecuária Estrela do Céu mantém sob proteção adequada todos os seus animais, desde seu nascimento até a entrega a seus compradores nos leilões da empresa. E, como em outras áreas de atuação das fazendas, as práticas adotadas constituem ações habitualmente mostradas pela imprensa especializada como modelos a seguir.

Genética

Tecnologia avançada garante resultados e serve de modelo

Tecnologia avançada garante resultados e serve de modelo

De raças puras, a Agropecuária Estrela do Céu seleciona a Nelore e a Brahman, aquela originada em tradicionais plantéis do Triângulo Mineiro, com o refrescamento de sangue das linhagens modernas, e esta resultante de importação própria, realizada em 2003, a última internalizada no País, antes da interdição das exportações norte-americanas da raça, em razão de ocorrência, nesse país, de caso de encefalopatia espongiforme bovina, a doença da vaca louca.

Em ambas as raças, o objetivo principal é o suprimento de sementais para seu próprio projeto, e, secundariamente, a venda de genética selecionada. Para ambas as finalidades, pratica-se a mais moderna tecnologia de reprodução. Usuária da inseminação artificial, há muitos anos, o projeto de produção vem obtendo, desde sua implantação, em 2002, excelentes resultados com um programa de inseminação artificial em tempo fixo (IATF), de que a Agropecuária Estrela do Céu foi uma das pioneiras no País, em rebanhos comerciais. Os índices de prenhez alcançados chegam a 79,3%, frente à média nacional, na casa de 60%.

A eficiência do programa tem sido mostrada como modelo para pecuaristas de diferentes regiões do País e até do exterior, como ocorreu em 2007, para um grupo de criadores mexicanos, convidados da SAF do Brasil, empresa do grupo francês Lesaffre, um dos maiores fabricantes de leveduras para rações animais do mundo. Tem sido igualmente motivo de reportagens de publicações especializadas, que destacam o trabalho da empresa, no particular, apontando-o como exemplar e eficiente.

No Brahman, um capítulo especial para a história.

No Brahman, um capítulo especial para a história.

O Brahman da Agropecuária Estrela do Céu merece capítulo à parte. A empresa faz questão de manter, na Fazenda São Pedro, um pequeno plantel da raça, originado de importação feita aos Estados Unidos da América, em 2003. Os animais desembarcaram no aeroporto internacional de Viracopos, em Campinas, SP, na noite de 23 de dezembro, horas antes de tornar-se conhecida existência de caso de encelopatia espongiforme bovina, a temida doença da vaca louca, em rebanho de Holandês do país, que teve embargada a comercialização externa de seus animais.

A importação somou 55 novilhas e dois reprodutores jovens, exemplares adquiridos por pecuaristas que, como Álvaro Borges, constituíram a Companhia do Brahman especificamente para a importação. Para a escolha dos animais, a equipe encarregada da compra avaliou criteriosamente plantéis de diferentes propriedades nos Estados do Texas e de Louisiana, tendo percorrido mais de 3.500 km, em julho e agosto de 2003.

A análise dos pedigrees dos animais importados evidencia a grande variação de famílias e linhagens trazidas, com valiosa contribuição ao criatório nacional da raça originada nos EUA.

Galeria

Eqüinos Quarto de Milha também mostram valor

Iniciada, há cerca de 16 anos, para interessar seus filhos menores nas coisas do agro, hoje Álvaro Borges também conta, como atividade regularmente desenvolvida na Agropecuária Estrela do Céu, com a criação de eqüinos da raça Quarto de Milha.

O plantel é mantido na Fazenda São Pedro, em Bauru, e se compõe de 35 animais, entre puros de origem nacional, importados e cruzados.

A responsabilidade pela criação está confiada a Pedro Coube Borges, ex-campeão brasileiro de várias modalidades.

O plantel Quarto de Milha da Agropecuária Estrela do Céu possui exemplares com pedigree respeitado em conformação, trabalho e esporte, participando regularmente de leilões de animais da raça.

Mais fotos:

Eqüinos Quarto de Milha também mostram valor

Fotos equinos

E-mail

Endereço

Rua Prudente de Morais, 8 Araçatuba, 16010-010